Shutterstock retrata ícones LGBTQ+ mais influentes da história com imagens da coleção editorial

O “Shutter”, como é carinhosamente chamado pela galere de comunicação está com uma ação bem legal voltada pra o público gay, lésbica, trans e LGBTQ+ de forma geral. A ideia é destacar LGBTQ+ mais influentes celebrando a história e definitivamente abrindo os olhos do mundo para a diversidade.

A seleção abrange séculos, desde poetas antigos a eternos ativistas e celebridades modernas, e traz ilustrações e fotografias que iluminam a vida de alguns dos ícones de 2020.

Trazer LGBTQ+ mais influentes é sempre um desafio pois somos muitos. A maioria com histórias de luta contra o preconceito e padrões heteronormativos que desde sempre assombram nossa existência.

Em anos como 2020, um futuro que ainda discuto o lugar da mulher, na cultura preta e de LGBTQ+ na sociedade, uma empresa do porte da Shutterstock trazer fotos icônicas e pessoas que fizeram a diferença é um respiro em meio a tanto preconceito e pensamento fascista.

Quem são os LGBTQ+ mais influentes em imagens:

Safo: Poeta milenar

Poeta lírico grego Safo de Lesbos. Imagem via Historia / Shutterstock.

A seleção de ícones inclui vários poetas, incluindo as vozes extraordinárias de Emily Dickinson, Mary Oliver e Ifti Nasim. No entanto, a primeira deles foi Safo, a milenar poeta lírica grega que viveu de aproximadamente 612-630 a 570 a.C. Ela residia na cidade de Mitilene, na ilha de Lesbos, de onde derivou a palavra “lésbica”.

Alexander von Humboldt: Polimata

O viajante e naturalista alemão Alexander von Humboldt (1769 – 1859). Imagem via Historia / Shutterstock.

Alexander von Humboldt não é a única pessoa no STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) a aparecer nesta seleção. Outros como Megan Smith, a diretora de tecnologia dos Estados Unidos, em inglês Chief Technology Officer (CTO), sob o presidente Obama, também reivindicam seu lugar de direito. No entanto, ele foi o primeiro.

Este naturalista, geógrafo e explorador prussiano que viveu de 1769 a 1859 talvez seja mais lembrado pelas descobertas que fez durante uma expedição de cinco anos pela América do Sul e Central. Suas realizações incluem a descoberta de muitos animais e plantas, bem como a corrente do oceano agora conhecida como Corrente de Humboldt. Em última análise, seu trabalho serviu como uma poderosa inspiração e influência para Charles Darwin e foi a base para pesquisas futuras sobre as mudanças climáticas causadas pelo homem.

De acordo com o The New York Times, Berlim no século 19 era o lar de uma cena gay dinâmica, mas underground. Foi só em 1920 que as leis discriminatórias da época foram abolidas.

Humboldt é apenas uma das várias figuras importantes da época que se acreditava serem esquisitas. E, embora muitos sintam que às vezes seu legado foi totalmente limpo, essa mente revolucionária também se tornou um modelo duradouro para os cientistas LGBTQ+ em todo o mundo.

Christopher Isherwood: romancista

Autor Christopher Isherwood (1904 – 1986). Imagem via Tony Weaver / Associated Newspapers / Shutterstock.

A obra deste romancista e dramaturgo anglo-americano apresentou uma série de retratos convincentes de gays e, depois de aparecer no livro Kathleen e Frank, o próprio escritor se tornou uma figura importante no movimento de libertação gay.

Hoje ele é bem lembrado por suas contribuições ao movimento e à história da literatura e do teatro. O musical Cabaret, por exemplo, é baseado em sua obra Berlin Stories. Na década de 1930, ele colaborou com seu amigo, o poeta W.H. Auden (foto acima).

De acordo com os editores do The American Isherwood, o escritor e seu parceiro, o artista Don Bachardy, foram provavelmente o casal gay mais fotografado do mundo durante os anos 1970. Eles estiveram juntos por trinta e três anos, até o falecimento de Isherwood, aos 81 anos. Como o próprio romancista disse uma vez, “A heterossexualidade não teria agradado a Christopher. Isso teria restringido fatalmente seu estilo.”

Emile Griffith: Boxeador

O boxeador americano Emile Griffith em 1964. Imagem via Associated Newspapers / Shutterstock.

Tido como um dos LGBTQ+ mais influentes da história, o pugilista americano conquistou cinco campeonatos mundiais ao longo de sua carreira e lutou mais do que qualquer outro na história do esporte. Ele também era um homem bissexual na década de 1960, durante os anos em que a relação homossexual era proibido em quase todos os estados do país.

Griffith se relacionava com homens e mulheres, e enfrentou adversidades e discriminações, inclusive quando perdeu o emprego devido ao relacionamento com Luis Rodrigo. Ao deixar um bar gay em 1992, foi espancado violentamente. Embora tenha passado quatro meses no hospital, acabou sobrevivendo ao ataque.

Griffith faleceu em 2013, mas não antes do surgimento de dois atletas de destaque da nova geração: o jogador de basquete Jason Collins e o boxeador Orlando Cruz, este último tentando marcar um encontro com Griffith durante seus últimos meses. Embora a década de 1960 tenha lhe negado a liberdade de viver abertamente, o lendário boxeador ajudou a pavimentar o caminho para que outros viessem.

Divina: (aka Harris Glenn Milstead): Artista drag

Harris Glenn Milstead, nome artístico de Divine, em 1972. Imagem via Dreamland Prods / Kobal / Shutterstock.

Este personagem ator, cantor e performer drag, mais conhecido pelo nome artístico de Divine, era a musa do cineasta John Waters, que o apelidou de “quase a mulher mais bonita do mundo”. Em uma entrevista de 1988 com Terry Gross da NPR, apenas há duas semanas de sua morte prematura, Milstead lembraria: “É irônico que ele diria que a mulher mais bonita do mundo acaba por ser um homem”.

Em 2015, Waters se lembrou de seu colaborador de longa data em uma conversa com a revista Baltimore, explicando que Divine preparou o futuro da drag, ajudando a inspirar RuPaul’s Drag Race e os principais artistas drag hoje. Em suas palavras, Milstead tornou a drag legal e inovadora. Ele quebrou todas as regras estabelecidas e então fez suas próprias regras.

Lori Lightfoot: Prefeita

Lori Lightfoot (à esquerda) beija sua esposa, Amy Eshleman, na festa da noite da eleição para prefeito de 2019, em Chicago. Imagem via Nam Y Huh / AP / Shutterstock.

Muitos dos ícones da seleção foram extremamente influentes no mundo do direito e da política, incluindo o ativista russo Nikolay Alexeyev, os ativistas americanos David Mixner e Laura Ricketts, a juíza Deborah Batts, Jess O’Connell (ex-DNC) e os políticos Angie Craig, Claudia López e outros.

Entre eles está a ex-promotora Lori Lightfoot, que em 2019 se tornou a primeira mulher negra e a primeira prefeita assumidamente gay de Chicago. Ela ganhou todas as cinquenta alas e 73% dos votos. Lori também foi a primeira em uma série de três candidatos LGBTQ a reivindicar disputas para prefeitura em todo o país em apenas algumas semanas.

Em seu discurso de vitória, Lori declarou: “Muitas meninas e meninos estão assistindo. Eles estão vendo uma cidade renascer. Uma cidade onde não importa a sua cor. Onde não importa quem você ama, contanto que você ame. ” Este ano, ela foi nomeada uma das Mulheres do Ano do The Advocate.

Laxmi Narayan Tripathi: Ativista

Laxmi Narayan Tripathi é dançarina, ativista e faz parte da comunidade Hijra de pessoas trans na Índia. Imagem via Majority World / Shutterstock.

Nascida em Mumbai, Índia, Laxmi Narayan Tripathi é uma ativista dos direitos trans e se tornou a primeira pessoa trans a representar a Ásia-Pacífico na ONU em 2008. Como membro da comunidade Hijra, ela defende direitos iguais há mais de duas décadas, falando contra o preconceito e maus-tratos ao terceiro gênero da Índia, que muitas vezes são rejeitados e expulsos por membros da família.

“Meu papel é a ponte, acredito, entre minha comunidade e o governo”, disse ela ao The Guardian em 2015. “Minha responsabilidade é levar [suas] vozes às pessoas que farão mudanças”. Um ano antes, ela foi uma das ativistas que lutou com sucesso pelo Supremo Tribunal Federal para reconhecer um terceiro gênero.

Angelica Ross: CEO

Angelica ross no 71º prêmio emmy do primetime após a festa em los angeles (2019). Imagem via CraSH / imageSPACE / Shutterstock.

Esta empresária americana, atriz e defensora dos direitos trans é a fundadora e CEO da TransTech Social Enterprises, uma organização que apóia pessoas trans em busca de emprego. Ela também é conhecida por estrelar programas de televisão populares como Pose e American Horror Story. Este ano, ela se tornou uma voz poderosa para vidas trans negras.

“Sei que desde que nasci, meu caminho tem sido repleto de […] desafios que me preparam para 2020, que me preparam para enfrentar esse momento”, disse ela à revista Interview neste verão. “Eu nasci para mostrar mais um exemplo: uma mulher negra trans de pele escura pode mostrar como ela pode aumentar a frequência vibracional de sua vida para fazer algo grande por este mundo.”

Lil Nas X: Rapper

Lil Nas X at the 62nd Annual Grammy Awards in Los Angeles (2020). Image via David Fisher/Shutterstock .

Para encerrar nossos LGBTQ+ mais influentes, vamos falar da cultura rap.

Com apenas 21 anos de idade, esse rapper, cantor e compositor alcançou o estrelato meteórico no ano passado, quando sua música “Old Town Road” ocupou o primeiro lugar na Billboard Hot 100 por 19 semanas – a mais longa permanência da história. Uma mistura de hip-hop e country, a música inédita foi escrita pelo próprio artista. Em 2018, ele estava dormindo no chão da irmã. Doze meses depois, ele era um superstar internacional.

Montero Lamar Hill fez história novamente durante o Mês do Orgulho (2019), quando se tornou o primeiro artista a se assumir enquanto estava no topo da Billboard Hot 100 (por meio de um tuíte icônico).

Embora ele inicialmente não planejasse se assumir publicamente, isso mudou quando ele – em suas próprias palavras – “se tornou Lil Nas X”. Como ele disse ao The Guardian no início deste ano, “Eu 100% quero representar a comunidade LGBT”.

E então, o que achou da lista dos LGBTQ+ mais influentes segundo o Shutter? Conta pra nós!

Post anterior

Nenhum comentário

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.