Quem é Mc Queer, a nova sensação da música gay brasileira

Com música é assinada pelo Maestro Billy, badalado DJ do Caldeirão do Huck, o paulistano Felipe Cagnacci parece um nome desconhecido para você, mas em breve vai ouvir falar muito dele: o Mc Queer.

O Mc Queer é um dos nomes que vêm se destacando quando o assunto é representatividade LGBT na música popular brasileira.

O cantor, além de falar explicitamente em suas letras sobre homofobia e relações sexuais gays, reverteu toda a renda da venda da música online para a construção de um lar LGBT em SP.

Com o clipe da música Fiscal, lançado ontem, Mc Queer se consagra como uma voz dos LGBTs e promete reverberar internet afora com sua batida pesada e letra que fala com a sociedade, especialmente nós, gays. “O fervo também é luta é uma forma de expressar nossa cultura, nossa visão de mundo e como podemos mudar a sociedade, ainda muito atrasada aqui no Brasil”, conta para o Três.

Tudo nasceu da revolta do MC com a homofobia, e a letra é forte. “O fervo também é luta” é o lema do grupo Revolta da Lampadada, surgida em São Paulo, depois dos incidentes de homofobia na Av Paulista que ganharam o mundo, promovido por um grupo de adolescentes. A música fala de luta, de não ficar quieto, de não apontar dedos.

Com frases como “quebra a lâmpada na cara para não enfiar na bunda” e “tem que ser muito macho pra caralho para dar o próprio cu”, além dos nomes dados aos gays, a música é dançante e ativista. O nome “fiscal” se refere a “fiscal de amor”. O termo queer se refere a um movimento acadêmico dos anos 70 que prega o fim dos rótulos, entre eles o dos gêneros, que ganha força atualmente.

E você, o que achou dessa novidade?

Post anterior Próximo post

Nenhum comentário

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.