O profissional gay: o que a empresa tem a ver com minha sexualidade?

Recentemente revistas especializadas em negócios e carreiras, como a EXAME, têm destacado a diversidade em suas páginas. A mais recente “Você é gay? Seu chefe quer saber, mas não se preocupe” aborda não só a identidade de gênero mas também alguns “diferencias” de quando se assume a orientação.

O assunto gera discussões em nosso país, afinal, muito distante da realidade norte-americana apresentada na matéria, vivemos em um território dominado por preconceito de todas as formas. Não é incomum ler notícias sobre agressões físicas e psicológicas às diferenças, sendo assim é necessário cautela, no meu ponto de vista, quando propagamos a aceitação.

No início do texto, redigido por Jeff Green (Bloomberg), empresas como Facebook, Deutsche Bank, IBM e AT&T ganham notoriedade com suas ações inclusivas e que nada diferem talentos. Segundo um indicador, quase metade das maiores empresas dos EUA quer reunir informações sobre quem na folha de pagamento é homossexual, bissexual ou transgênero a fim de desenvolver planos de benefícios melhores e para que os gerentes possam avaliar promoções que fomentem a diversidade.

Será mesmo inclusiva essa atitude, ou teremos ainda mais movimentos de “nicho” em nossa sociedade, gerando debates longos e quase sem entendimento comum como a questão das cotas raciais?

O assunto ganha relevância quando falamos de profissionais trabalham e/ou viajam a trabalho para os mais de 76 países onde a homossexualidade é crime. As empresas por lá são cuidadosas: a American Express, por exemplo, que coleta detalhes sobre o profissional gay nos EUA há 10 anos, só adicionou a pergunta a respeito da identificação de gênero nos países onde a homossexualidade é garantida por lei. E sim, de acordo com a matéria as empresas que fazem essas perguntas deixam claro que a resposta é voluntária.

E então, o que acha de sua empresa se aproximar ainda mais de sua vida pessoal?
Será que no Brasil estamos seguros? Qual a diferença entre o profissional e o profissional gay em nosso país?

Post anterior Próximo post

Nenhum comentário

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.